Djarga Seidi

Engº. Agrónomo, pelo Instituto de Tecnologia de Produção e Saúde Animal de Sidi Bel-Abbés, Argélia - 1979
Curso de Pós-Graduação Gerir Projetos em Parceria –Universidade Católica Portuguesa, Lisboa;
Curso de gestão Adaptada e Particpação em Organizações Camponesas (OAPa), Munique, Alemanha;

Em 2012, foi eleito Representante da Comunidade Imigrante na Comissão para igualdade contra Discriminação Racial (CICDR), liderada pelo ACIDI;
Foi Membro do Grupo de trabalho sobre Mutilação Genital Feminina, liderado pela CIG (Comissão para igualdade de Genero) e do Conselho Consultivo do Movimento Lusófono (MIL);
Membro fundador do Movimento da Lusofónia da CPLP na Diáspora, onde fazem parte representantes das Associações  dos Paises de CPLP e da Federação das Associações da Guiné-Bissau em Portugal.

Exerce atualmente a função de Presidente da Balodiren

A Associação Balodiren é uma associação de solidariedade e apoio à comunidade guineense, fundada em 2007 e reconhecida pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) como ONGD em Setembro de 2009. Com sede provisória em Casal de Cambra, num espaço disponibilizado pela Câmara Municipal de Sintra, a organização visa defender os direitos dos imigrantes e contribuir para a integração dos migrantes na sociedade onde estão inseridos. Além disso, procura apoiar as pessoas carenciadas ou em necessidades na área social e humanitária e contribuir para o desenvolvimento da Guiné-Bissau através da experiência da sua diáspora radicada em Portugal. A nível nacional, promove a sensibilização e informação ao migrante sobre as leis de migração nacional para que este possa decidir de forma mais consciente e informada.
A contribuição no desenvolvimento sócio-economico e cultural da Guiné-Bissau, com acções concretas e concertadas e o fortalecimento das relações de amizade entre a Guiné-Bissau e o Portugal são dois dos objectivos da Balodiren.
Nesse sentido, a Associação Balodiren tem desenvolvido actividades como a auscultação e o contacto com as comunidades migrantes na zona de Agualva-Cacém, através da dinamização de acções de sensibilização sobre a importância do conhecimento e respeito das leis portuguesas por parte dos migrantes e ainda na sensibilização para a erradicação da mutilação genital feminina junto da diáspora guineense. Ao longo dos últimos anos, realizou várias tertúlias nomeadamente nos domínios de mutilação genital feminina e do papel de migrantes no desenvolvimento dos países de acolhimento. Estas iniciativas tiveram participação de várias Instituições da sociedade civil, assim do OIM – Organização Internacional para as Migrações, ACIDI – Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural e APF – Associação de Planeamento Familiar (a Balodiren, assinou recentemente uma parceria com a APF para a realização de um projecto sobre os ODM – Objectivos de Desenvolvimento do Milénio).